RadarURL

<< Pesquisador Anterior   |   Pesquisador Seguinte >>

Nome: William Crookes
Data Nascimento: 17/06/1832
Data Desencarne: 04/04/1919
País de Origem: Inglaterra

Sir William Crookes, OM , PRS (Londres, 17 de junho de 1832 — Londres, 4 de abril de 1919) foi um químico e físico inglês. Freqüentou o Royal College of Chemistry em Londres, trabalhando em espectroscopia. Em 1861, descobriu um elemento que tinha uma linha de emissão verde brilhante no seu espectro, ao qual deu o nome de tálio, do grego thalos, um broto verde, que é o elemento químico de número atómico 81. Também identificou a primeira amostra conhecida de hélio, em 1895. Foi o inventor do radiômetro de Crookes, vendido ainda como uma novidade, e desenvolveu os tubos de Crookes, investigando os raios catódicos. Em suas investigações sobre a condutividade da eletricidade em gases sob baixa pressão, descobriu que, à medida que se diminuía a pressão, o elétrodo negativo parece emitir raios (os chamados raios catódicos, que hoje se sabe tratarem-se de um feixe de elétrons livres, utilizado nos dispositivos de vídeo padrão CRT). Como esses exemplos mostram, Crookes foi um pioneiro na construção e no uso de tubos de vácuo para estudar fenômenos físicos. Foi, por conseguinte, um dos primeiros cientistas a investigar o que hoje é chamado de plasmas. Também criou um dos primeiros instrumentos para estudar a radioatividade nuclear, o assim-chamado espintariscópio. Em 1870 Crookes decidiu que a ciência tinha a obrigação de estudar os fenômenos associados com o Espiritismo . A julgar por cartas de família, Crookes já tinha desenvolvido uma visão favorável ao Espiritismo por volta de 1860. No entanto, ele estava determinado a conduzir sua investigação de forma imparcial e descreveu as condições que ele impunha aos médiuns da seguinte forma: "Deve ser na minha própria casa e com minha própria seleção de amigos e espectadores, sob minhas próprias condições e podendo eu fazer o que achar melhor quanto a dispositivos". Entre os médiuns que ele estudou estavam Kate Fox, Florence Cook, e Daniel Dunglas Home. Os fenômenos que ele testemunhou incluíram movimento de corpos a distância, tiptologia, alteração de peso dos corpos, levitação, aparência de objetos luminosos, aparência de figuras fantasmagóricas, aparência de escrita sem intervenção humana e circunstâncias que "sugerem a atuação de uma inteligência externa". Alguns dos fenômenos registrados, segundo Crookes: "Em plena luz, vi uma nuvem luminosa pairar sobre um heliotrópio colocado em cima de uma mesa, ao nosso lado, quebrar-lhe um galho, e trazê-lo a uma senhora, e, em algumas ocasiões, percebi uma nuvem semelhante condensar-se sob nossos olhos, tomando uma forma de mão e transportar pequenos objectos". "Pequena mão de muito bela forma elevou-se de uma mesa da sala de jantar e deu-me uma flor; apareceu e depois desapareceu três vezes, o que me convenceu de que essa aparição era tão real quanto a minha própria mão". O relatório de Crookes sobre a sua pesquisa, em 1874, concluiu que esses fenômenos não podiam ser explicados como prestidigitação e que pesquisa adicional seria útil. Crookes não estava só nessa opinião. Companheiros cientistas que passaram a confirmar a veracidade da comunicação de espíritos incluiam Alfred Russel Wallace, Oliver Joseph Lodge, Lord Rayleigh, e William James. No entanto, como a maioria dos cientistas tinha a opinião pré-concebida de que o Espiritismo era fraudulento, o relatório final de Crookes ultrajou de tal modo o "establishement" científico de então que "falou-se de cancelar sua filiação à Royal Society (Sociedade Real)". Crookes tornou-se mais cauteloso a partir de então e não mais discutiu seu ponto de vista em público até 1898, quando sentiu que sua posição estava segura. Foi nesse ano, em seu discurso de posse na presidência da British Association for the Advacement of Science (Associação Britânica pelo Avanço da Ciência), que afirmou: "Já se passaram trinta anos desde que publiquei um relatório dos experimentos tendentes a mostrar que fora de nosso conhecimento científico existe uma Força utilizada por inteligências que diferem da comum inteligência dos mortais ... Nada tenho a me retratar. Confirmo minhas declarações já publicadas. Na verdade, muito teria que acrescentar a isto".



Área de Pesquisa Descrição
Materialização de EspíritosFenômeno no qual a Inteligência, antes oculta na realização dos fenômenos, torna-se visível, tangível, demonstrando que após a morte do corpo conserva-se a informação biológica do antigo corpo em um novo, porém de natureza distinta do antigo.
Materializações LuminosasFenômeno no qual luzes, mãos luminosas ou mesmo Espíritos Materializados de forma luminosa aparecem no recinto.
Fenômenos de Efeitos FísicosFenômenos provocados pelos Espíritos ao interagirem com a matéria, podendo ocorrer movimentação de objetos, deslocamento e resfriamento de ar, barulhos sem procedência conhecida, etc
Escrita DiretaFenômeno notável, onde uma escrita é realizada sem auxílio direto do médium, a Inteligência Desencarnada grafa, ela mesma, os caracteres em uma lousa ou no papel.
Fenômenos de TransporteFenômeno no qual os Espíritos transportam objetos para dentro de um recinto completamente fechado, por onde comumente não haveria a menor possibilidade de tal objeto se encontrar no recinto.
Física Transcendetal

Título Original Título em Português Ano de Publicação Disponível na Biblioteca Digital
Researches in the phenomena of spiritualismFatos Espíritas1874Download - DOC
Download - PDF